mario baptista street

Por dentro de si

 

   “A fotografia ampliou a visão das massas”, na opinião certeira da fotógrafa e historiadora franco-alemã Gisèle Freund, e se tornou o mais poderoso e difundido instrumento de descrição e interpretação plástica do mundo visível.

   Assim que as câmeras se tornaram mais leves, surgiu um/a novo/a personagem, aquele/a que anda por aí de olhar atento, colhendo momentos. Na tradição europeia, ficou conhecido/a como fotógrafo/a flâneur, um pouco romântico/a, combinando rigor e maravilhamento. Do lado norte-americano, o/a street photographer abordou de forma incisiva e contundente a cultura urbana, construindo um modelo reproduzido mundo afora.
   Mario Baptista bebeu nessa fonte, mas faz um caminho próprio que vai além do simples registro de um acaso interessante. Na sua obra, a subjetividade parece ter sido acessada por um detalhe do mundo visível, como se um canal invisível ligasse a cena enfocada ao âmago do fotógrafo. Com perfeito domínio da técnica e, sobretudo, da cor, seu olhar desentoca, ressignifica, provoca epifanias plásticas.
   Ao perambular pelas ruas, são os próprios caminhos de si que Mario Baptista percorre.

Milton Guran